segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Pensamentos sobre o dia dos Namorados

O dia dos Namorados só pode ser um dos piores dias para os namorados.

Não quero culpar esta sociedade consumista, nem o facto de vivermos pela cabeça dos outros, já me cansa e satura a publicidade, os posts do facebook a mostrar aos outros o quanto são (in)felizes (porque se fossem mesmo não necessitava mostar).

É o dia em que fazemos as coisas mais fofinhas e o agradecimento é reduzido, porque tudo se tornou uma obrigação.

Namorados façam a mesma coisa noutro dia qualquer e vão sentir todas as emoções a multiplicar por mil, simplesmente porque não é obrigação.

No entanto, há uma memória que recordo com carinho o meu avô, que todos os dias de São Valentim, oferecia uma flor à minha avó, todos os anos... e quando a saúde ja nao deixava, chorava. E assim foi até o fim da sua vida. Eram outros tempos.

Tudo isto para dizer que no dia dos Namorados recordo o meu avô e no seu exemplo, mas que se fosse hoje, provavelmente aquela flor não teria o mesmo significado porque em todo o lado nos fazem sentir que se não oferecermos nada é porque não gostamos. Já não há romantismo... Obrigado centros comercias, lojas, restaurantes, agências de viagens. Obrigado por terem tornado um dia que podia ser especial num dia pior que os outros.

Namorados, namoradas, enamorados e casados, tirem a vossa foto do jantar romântico e ponham no facebook, se isso vos faz feliz...

sábado, 13 de fevereiro de 2016

Poema do dia. Todas as cartas de amor são ridículas

Todas as Cartas de Amor são Ridículas

Todas as cartas de amor são 
Ridículas. 
Não seriam cartas de amor se não fossem 
Ridículas. 

Também escrevi em meu tempo cartas de amor, 
Como as outras, 
Ridículas. 

As cartas de amor, se há amor, 
Têm de ser 
Ridículas. 

Mas, afinal, 
Só as criaturas que nunca escreveram 
Cartas de amor 
É que são 
Ridículas. 

Quem me dera no tempo em que escrevia 
Sem dar por isso 
Cartas de amor 
Ridículas. 

A verdade é que hoje 
As minhas memórias 
Dessas cartas de amor 
É que são 
Ridículas. 

(Todas as palavras esdrúxulas, 
Como os sentimentos esdrúxulos, 
São naturalmente 
Ridículas.) 

Álvaro de Campos, in "Poemas" 
Heterónimo de Fernando Pessoa