segunda-feira, 22 de dezembro de 2014

O 20 de Dezembro

No dia em que fiz 40 anos....

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

O ego dissolve-se entre as mãos

O Ego se Dissolve Entre as Mãos“Minha mão direita escreveu muitos poemas que eu compus, enquanto minha mão esquerda não escreveu nenhum poema. Mesmo assim, minha mão direita não pensa da mão esquerda: ‘Você não presta para nada!’.

Minha mão direita não tem nenhum complexo de superioridade, e por isso ela é muito feliz. E minha mão esquerda não tem nenhum complexo de inferioridade. Portanto, nas minhas duas mãos existe uma sabedoria, uma sabedoria chamada de ‘não-discriminação’.

Eu me lembro que um dia eu estava com um martelo batendo em um prego. Minha mão direita não estava muito firme e, ao invés de acertar o prego, acertou o dedão da mão esquerda. Imediatamente, a mão direita largou o martelo no chão e começou a cuidar do dedão da mão esquerda de uma forma muito terna e carinhosa, como se estivesse cuidando dela mesma.

E a mão direita não disse: ‘Você, mão esquerda, você está vendo que eu, a mão direita, estou cuidando bem de você agora, você deve se lembrar disso, e você deve me pagar por isso de volta de alguma forma no futuro.’ Não há este tipo de pensamento. E minha mão esquerda não diz assim: ‘Você, mão direita, você me machucou muito, me dê este martelo, eu quero vingança!’

Não há este tipo de pensamento, porque as duas mãos sabem que elas estão juntas, elas estão uma na outra.”


Poeta e líder budista Thich Nhat Hanh

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Praceta no Outono

Para refletir - Sobre a família

Infelizmente, nos nossos dias, os membros da família, mercê da mentalidade individualista e propensa ao hedonismo, a buscar continuamente o bem individual e o prazer outorgado pela vida, sem se importarem com os direitos dos outros ou com os deveres pessoais sugeridos pela sã consciência, estão frequentemente buscando o interesse e o prazer individuais. Depois, como o agregado familiar se compõe normalmente por esposos e filhos e o ambiente não se alicerça no amar e servir os demais, destrói-se facilmente a unidade com separações, aniquilando-se a estima devida aos filhos, implementando-se o desinteresse pelos componentes do lar e gerando-se a indiferença quando não o desprezo de quantos formavam a parentela. Isto, porque a verdade moral não se respeita e sujeita-se ao capricho e gosto pessoal.
A ilustração moderna dos homens pretende superar a própria verdade divina e julga poder mandar na mesma realidade das coisas, sujeitando até a sua realização aos caprichos de momento.

Padre Cunha Sério, in jornaldaguarda.com


PS. falta aqui na foto a minha avó que é o exemplo prático da dedicação aos outros e de como manter uma família. 

sábado, 1 de novembro de 2014

Raízes

Celebramos o Halloween e esquecemos o magusto e a água pé. 
Como dizia o poeta PacMan cuidado com as raízes pode ser que algum dia as pises. 

domingo, 28 de setembro de 2014

O que aproveita de uma revista inteira

Depois de desfolhar a Activa de Agosto aproveita-se isto. Quem é que é amigo e vos poupou 15 minutos?

terça-feira, 9 de setembro de 2014

Colhe o dia

Colhe o Dia, porque És EleUns, com os olhos postos no passado, 
Vêem o que não vêem: outros, fitos 
Os mesmos olhos no futuro, vêem 
O que não pode ver-se. 

Por que tão longe ir pôr o que está perto — 
A segurança nossa? Este é o dia, 
Esta é a hora, este o momento, isto 
É quem somos, e é tudo. 

Perene flui a interminável hora 
Que nos confessa nulos. No mesmo hausto 
Em que vivemos, morreremos. Colhe 
O dia, porque és ele. 

Ricardo Reis, in "Odes" 
Heterónimo de Fernando Pessoa

sábado, 23 de agosto de 2014

As olhas da canja

Ricardo Reis contempla as olhas da canja de galinha, acabou por escolher a dieta, obedeceu à sugestão, por ...



Hoje aprendi uma nova palavra ao reler o Ano da morte de Ricardo Reis, um livro do meu mui apreciado Saramago. Não há dúvida que a língua portuguesa é riquíssima e até tem uma palavra para aquelas bolinhas amarelas de gordura que nos aparece na canja se for uma como deve ser. As OLHAS da canja! 

sexta-feira, 22 de agosto de 2014

Das minha viagens - Paris - Burgos 2014 - Dia 1 - 30 de Julho - Paris - Chartres

30 Julho 2014 - Dia 1

Saímos tarde da casa do Jean Claude. Atravessar Paris levou mais do que esperávamos. É enorme mas no meio encontramos monumentos preciosos e espaços verdes em abundância.







Pelas 14.30 descansamos em Limours. Ainda faltam uns 40 kms.

 
O nosso primeiro almoço na estrada. Pão com enlatados e um pouco de queijo e fruta.


Chegamos a Chartres pelas 18.30 e ficamos na pousada da Juventude depois de um dia cheio com muita estrada e alguns carros. Espero que a partir daqui melhore. Depois do banho e de um pequeno descanso fomos visitar o centro.



Chartres é Patrimonio Mundial por isso estava com alguma expectativa sobre o que iria encontrar. Não me desiludi. Logo desde que se entra na cidade avistamos a Magnífica Catedral do século XII, e depois quando nos aproximamos é que nos vamos apercebendo da sua imponência e de outros monumentos que a rodeiam. A praça envolvente está repleta de cafés e restaurantes muitíssimo bem decorados e relativamente acessíveis a cerveja é que é caríssima.




Janto um belo de um risoto na praça central com a Catedral ao fundo, magnífico.


A catedral de Notre Damme de Chartres



Cidade linda.



Já tinhamos decidido ir para Portugal em vez de ir para Praga, e também fazer o Caminho de Santiago chegando à fronteira. Acontece que há um caminho que começa em Paris e que passa por Chartres. Deparamo-nos com as placas e com um escritório onde fazem o atendimento aos peregrinos. Amanhã lá iremos e consoante o que nos disserem, iremos começar o Caminho a partir daqui.

Por isso o nosso plano anterior será alterado.

Encontramos marcas do caminho de Santiago e resolvemos começar daqui a nossa caminhada de 1600 kms.


Resumo da jornada.



88.69 kms
Vel. Média 12.8
Vel max 43.9
Duração 6h45m

quarta-feira, 20 de agosto de 2014

Das minha viagens - Paris - Burgos 2014 - Dia 0 - 29 de Julho - Faro - Paris

📍 Dia 0 -  29 de Julho 2014 - Faro - Paris


Saída de Faro 8.15 com tempo nublado. Todas as minhas coisas arrumadas à pressa. Dei aulas no dia anterior e trouxe logo tudo para Faro.



Eu com a minha caixa no Aeroporto de Paris
A caixa da bike não cabia em lado nenhum tive que trazer a carrinha do Barão. A Susana foi levar-nos ao aeroporto. Lá foi outra confusão porque a caixa da bicicleta não cabia em raio x nenhum, depois de a ter pesado. 16 kgs, ainda dava para mais qualquer coisa.

Já em Paris, o meu amigo Benoit foi buscar-nos com a sua carrinha, porque era a única que conseguia transportar a caixa enorme que eu levava. Disse-me que tinha a casa em obras e teve que tirar todas as pedras que tinha lá dentro. A amizade é isto mesmo e vou ficar sempre eternamente agradecido.

Levou-nos a almoçar a um restaurante português em Paris, onde eu vi o maior naco de carne cozinhado da minha vida. Curiosamente havia Sagres  e custava 6 euros :)



O Benoit levou- nos à loja onde o Raúl comprou a bicicleta dele e lá ajudaram-me a montar a minha. Não sofreu muito na viagem apesar de eu estar um pouco receoso. Depois de tudo pronto, toca a pedalar para onde iríamos passar a noite. Logo no primeiro dia chuva. Ainda tivemos que parar debaixo de um prédio e aproveitar para provar as delicatessens dos cafés parisienses. Um bolo e um café. Achei caro para o que era. Realmente aqui em Portugal estamos mal habituados. O nosso café é óptimo e os nosso bolos também. Meus ricos pastéis de nata.

Ficamos a dormir na casa do Jean Claude, um amigo de longa data do Raúl. Gostei muito dele, uma pessoa super trabalhadora, simples e amiga do amigo. Ficamos logo à vontade mesmo depois de termos entupido a casa com as nossas bicicletas. Tem uma casa pequena no centro de Paris, mas muito acolhedora com bom gosto. Fez-me pensar que a minha também poderia estar assim, mais arranjada e mais confortável, mas tenho sempre aquela ideia que a casa é um sitio onde se dorme e que desde que haja espaço para as minha plantas e para o meu colchão onde me sento para ler e fazer ioga para mim está óptimo. No entanto adoro receber os meus amigos e só isso é que me faz pensar em melhorar.









Na casa do Jean Claude com uma mini.



Já com um mapa por cima da mesa delineamos o plano para os dias que se seguem:

Dia 1 - 30 Julho
Paris - Maintenom 77 kms
Ou
Paris - Chartres - 90 kms

Dia 2 - 31 Julho
Chartres - mondoubleu

Dia 3 - 1 Agosto
Mondoubleu - chateu la Valliere

Primeiras coisas que vi que esqueci: a bomba da bicicleta e a tenda!

segunda-feira, 18 de agosto de 2014

Para quem gosta de ir à praia e passar o dia sem protector solar...




Já foi o tempo em que o bronzeado era bonito. Hoje quando vejo alguma pessoas demasiado bronzeadas em vez de beleza vejo um misto de falta de informação com a necessidade de parecer bonito!

Não sei até que ponto os infra-vermelhos são realmente capazes de nos dizer a saúde actual da nossa pele, mas não há dúvida que este vídeo mostra-nos a importância do protector solar!

A Disciplina, por Scott Peck

Há quatro técnicas bases para a disciplina, o que contribui para enfrentar construtivamente a dor da resolução de problemas. 

1. O adiamento da gratificação 
2. Assumir da responsabilidade
3. Dedicação à verdade ou realidade
4. Manutenção do equilíbrio. 

A quarta já digo há muito que é importante. Saber viver trata-se muitas das vezes em encontrar o equilíbrio nas coisas que fazemos. SP apresenta-nos mais 3 para além dessas. 

Numa altura em que tudo parece ser tão difícil todas as dicas ajudam. 

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Os livros do Dr. Brian Weiss



Já acabei o terceiro e devo confessar que estes livros mudaram muito sobre o que eu pensava sobre a vida. Há muita coisa que começa a fazer sentido e aconselho todos os meus amigos a ler.

A mensagem fundamental é que temos outras vidas passadas e teremos outras futuras. Estamos numa escola de almas tentando aperfeiçoar-nos. Coisas que fazemos nesta vida afecta o que nos acontecerá em próximas. (Tal como nos explica o karma). 

Mas a mensagem final é de empatia, compaixão, não-violência e amor pelo próximo. Aprendemos também  o termo BONDADE CARIDOSA, um sentimento que nos assiste quando alguém nos faz alguma coisa de bem (como uma mãe, avo, ou amigo) ou nos sentimos felizes até sair uma lágrima de felicidade e sobre ou qual devemos meditar. 

Assim estamos a tornar-nos melhores almas. 

Leiam!

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Para vêr num ecrã gigante e relaxar...

A natureza é linda... muito mais que qualquer carro ou iate!!

The Mountain from TSO Photography on Vimeo.


Serei um espírito velho?

 Por vezes não me identifico com muitas situações com que me deparo no dia a dia e isso faz com que me sinta um pouco à parte e desligado. Identifico-me com muito do que aqui está... mas há uma coisa que não condiz... adoro estar com os meus amigos, apesar de também necessitar do meu tempo a sós. Seja ou não um espírito velho, acho muito válidas algumas dicas pelas quais podemos guiar-nos. Aqui fica um artigo muito interessante sobre isso, retirado de  lonerwolf.com.

9 Signs You’re An Old Soul

old soul
“How old would you be if you didn’t know how old you are?” ~ Satchel Paige

There is a special kind of person in our world who finds himself alone and isolated, almost since birth.
 His solitary existence isn’t from a preference or an antisocial temperament – he is simply old.  Old in heart, old in mind and old in soul, this person is an old soul who finds his outlook on life vastly different and more matured than those around him.  As a result, the old soul lives his life internally, walking his own solitary path while the rest around him flock to follow another.  Perhaps you’ve experienced this in your own life, or have witnessed it in another person?  If so, this article is dedicated to you, in hopes that you will come to define yourself, or understand another better.

The “Old Soul”

Robert Frost, Eckhart Tolle and even Nick Jonas have been called them.  Perhaps even you have?  I did.  Like many of them, this self discovery was made upon meeting Sol, who told me about his childhood as a precocious, intelligent boy who would befriend the teachers instead of the students, just because they were too different from him.  As he related his inability to find interest in and connection to the people his age, I discovered that I felt the same, and still do.
If you have not yet discovered whether you’re an old soul, read some of the revealing signs below.

 1. You tend to be a solitary loner.

Because old souls are disinterested in the pursuits and interests of the people in their age groups, they find it dissatisfying to make friends with people they find it hard to relate to.  The result is … old souls tend to find themselves alone a lot of the time.  People just don’t cut it for them.

2. You love knowledge, wisdom and truth.

Yep … this seems a little grandiose and overly noble, but the old soul finds himself naturally gravitating towards the intellectual side of life.  Old souls inherently understand that knowledge is power, wisdom is happiness and truth is freedom, so why not seek after those things?  These pursuits are more meaningful to them than reading up on the latest gossip about Snooki’s latest boyfriend, or the latest football scores.

3. You’re spiritually inclined.

More emotional old souls tend to have sensitive and spiritual natures.  Overcoming the confines of the ego, seeking enlightenment and fostering love and peace are the main pursuits of these young-in-body Mother Teresa’s.  To them it seems the wisest, most fulfilling use of time.

4. You understand the transience of life.

Old souls are frequently plagued with reminders of not only their own mortality, but that of everything and everyone around them.  This makes the old soul wary and at times withdrawn, but wisely dictates the way they live their lives.

5. You’re thoughtful and introspective.

Old souls tend to think a lot … about everything.  Their ability to reflect and learn from their actions and those of others is their greatest teacher in life.  One reason why old souls feel so old at heart is because they have learnt so many lessons through their own thought processes, and possess so much insight into life situations from their ability to quietly and carefully observe what if going on around them.

6. You see the bigger picture.

Rarely do old souls get lost in the superficial details of getting useless degrees, job promotions, boob jobs and bigger TV’s.  Old souls have the tendency to look at life from a birds eye view, seeing what is the most wise and meaningful way to approach life.  When confronted with issues, old souls tend to see them as temporary and passing pains that merely serve to increase the amount of joy felt in the future.  Consequently, old souls tend to have placid, stable natures as a result of their approach to life.

7. You aren’t materialistic.

Wealth, status, fame, and the latest version of iPhone … they just bore old souls.  The old soul doesn’t see the purpose of pursuing things that can be easily taken away from them.  Additionally, old souls have little time and interest for the short-lived things in life, as they bring little meaning or long lasting fulfillment for them.

8. You were a strange, socially maladaptive kid.

This is not always the case, but many old souls exhibit odd signs of maturity at young ages.  Often, these children are labelled as being “precocious”, “introverted”, or “rebellious“, failing to fit into the mainstream behaviors.  Usually, these children are extremely inquisitive and intelligent, seeing the purposelessness of many things their teachers, parents and peers say and so, and either passively or aggressively resisting them.  If you can talk to your child like he/she’s an adult – you’ve probably got an old soul on your hands.

9. You just “feel” old.

Before putting a name to what I felt, I experienced certain sensations of simply being an “old person” inside.  The feelings that accompany being an old soul are usually: a feeling of world wariness, mental tiredness, watchful patience, and detached calmness. Unfortunately, this can often be perceived as being aloof and cold, which is only one of many Old Soul Myths.
Just as some old people describe themselves as being “young at heart”, so too can young people be “old at heart”.


quarta-feira, 16 de julho de 2014

Fim de semana de correria mas com um grande final ....

Foi de loucos, com duas aulas abertas, uma delas na praia,




...dois casamentos....




 e no final uma actuação na abertura do Mood, eu e a minha equipa, lá estivemos a dar o nosso melhor.

Conseguimos e acabamos a noite a dançar roda de casino à volta de uma rotunda em Tavira.




E para acabar o fim de semana, a cereja por cima do bolo...


Não tenho muitas coisas, mas tenho muito...

Livros à pala...



Aqui deixo um link para fazerem downloads de livros gratuitamente. Aproveitem...


http://www.endoriot.com/2014/01/free-books-100-legal-sites-to-download.html

sexta-feira, 11 de julho de 2014

blog fixe

Não tenho escrito muito mas acreditem que não foi por falta de motivos. Tudo a acontecer tão rápido que nem tenho feito deste blog uma prioridade, nem os meus exercícios diários, nem a minha literatura...  coisas que adoro e que não tive tempo. Tudo graças ao Orgulhe! Um pequeno grande evento que decorreu no fim de semana passado

A pouco e pouco tento voltar ao ritmo que tinha.

Entretanto, sem querer parei neste blog e gostei

http://inesaleegre.blogspot.pt

Com uma escrita limpa, a Inês dá-nos uma visão dos relacionamentos pelo lado feminino.