sexta-feira, 25 de outubro de 2013

Uma hipótese a considerar.... don't vote!


"If we can engage that feeling and change things, why wouldn't we?" .... "Why is that naive? Why is that not my right because I'm an 'actor'? I've taken the right. I don't need the right from you. I don't need the right from anybody. I'm taking it."

sexta-feira, 18 de outubro de 2013

Hollow men de T. S. Eliot

The Hollow Men: Text of the Poem

A penny for the Old Guy

I
We are the hollow men
We are the stuffed men
Leaning together
Headpiece filled with straw. Alas!
Our dried voices, when
We whisper together
Are quiet and meaningless
As wind in dry grass
Or rats' feet over broken glass
In our dry cellar

Shape without form, shade without colour,
Paralysed force, gesture without motion;

Those who have crossed
With direct eyes, to death's other Kingdom
Remember us—if at all—not as lost
Violent souls, but only
As the hollow men
The stuffed men.

II
Eyes I dare not meet in dreams
In death's dream kingdom
These do not appear:
There, the eyes are
Sunlight on a broken column
There, is a tree swinging
And voices are
In the wind's singing
More distant and more solemn
Than a fading star.

Let me be no nearer
In death's dream kingdom
Let me also wear
Such deliberate disguises
Rat's coat, crowskin, crossed staves
In a field
Behaving as the wind behaves
No nearer—

Not that final meeting
In the twilight kingdom

III
This is the dead land
This is cactus land
Here the stone images
Are raised, here they receive
The supplication of a dead man's hand
Under the twinkle of a fading star.

Is it like this
In death's other kingdom
Waking alone
At the hour when we are
Trembling with tenderness
Lips that would kiss
Form prayers to broken stone.

IV
The eyes are not here
There are no eyes here
In this valley of dying stars
In this hollow valley
This broken jaw of our lost kingdoms

In this last of meeting places
We grope together
And avoid speech
Gathered on this beach of the tumid river

Sightless, unless
The eyes reappear
As the perpetual star
Multifoliate rose
Of death's twilight kingdom
The hope only
Of empty men.

V
Here we go round the prickly pear
Prickly pear prickly pear
Here we go round the prickly pear
At five o'clock in the morning.

Between the idea
And the reality
Between the motion
And the act
Falls the Shadow
For Thine is the Kingdom

Between the conception
And the creation
Between the emotion
And the response
Falls the Shadow
Life is very long

Between the desire
And the spasm
Between the potency
And the existence
Between the essence
And the descent
Falls the Shadow
For Thine is the Kingdom

For Thine is
Life is
For Thine is the

This is the way the world ends
This is the way the world ends
This is the way the world ends
Not with a bang but a whimper.




quinta-feira, 17 de outubro de 2013

Escritores subvalorizados

Saiu no Expresso deste fim‑de‑semana um artigo sobre autores portugueses sobre e subvalorizados.

Há dois autores que não conheço e que foram mencionados: Teresa Veiga e Ferreira de Castro.

Curiosamente Valter Hugo mãe foi mencionado como sobrevalorizado, tal como António Lobo Antunes (exceptuando os seus três primeiros romances).

Já estão na lista para uma próxima visita à biblioteca.

quarta-feira, 16 de outubro de 2013

Amuou!

O regime angolano não gostou, seguramente, que alguns dos seus líderes (um deles atual vice-presidente) fosse investigado pelo Ministério Público português. Em consequência disso o presidente angolano disse no Jornal de Angola que Portugal não tem condições de se relacionar com Angola, ao atacar e caluniar altas figuras do estado angolano.

Dada a pobreza de muitos, e a riqueza de poucos que vivem num país extremamente rico, nem parece verdade que podemos estar a falar de Angola um país cotado em 157º no ranking da Transparency International. (Portugal está em 33º)

Ninguém fale mal  nem investigue os dirigentes angolanos, que são exemplo de seriedade e de como se deve gerir um país. 

Tenho vergonha dos políticos portugueses, mas confesso que teria ainda mais se fosse político angolano.


quinta-feira, 10 de outubro de 2013

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

O que te faz feliz?

Várias vezes tenho refletido neste blog sobre a felicidade.
Durante uma entrevista que emocionou o Jô Soares e fez a plateia aplaudir de pé, Clóvis de Barros Filho, professor de ética na USP, conta como descobriu sua paixão profissional aos 13 anos de idade, em uma aula na escola. É incrível o amor dele e como Clóvis explica esse sentimento de realização quando fazemos o que amamos. Uma excelente lição de vida, que vale a pena ser vista.

"quando você descobre qual é o teu negócio, é muito legal de viver... você não quer que a vida acabe" e estes são para ele os momento de felicidade.


Fantástica entrevista de Clóvis de Barros Filho no Programa do jô (2 blocos) from Espaço Ética on Vimeo.

Coisas que me passam pela cabeça

É impressão minha, ou hoje em dia já não se celebram aniversários, só B'DAYS?



terça-feira, 8 de outubro de 2013

Um filme de 2 minutos mas que dá para pensar durante muitas horas. Stop consuming!

Ora aí está alguém que está no mesmo prisma de observação do mundo que eu!! Stop consuming, reclaim your mind, don't wach TV!What is real is you and your friends!!

"You want to reclaim your mind and get it out of the hands of the cultural engineers who want to turn you into a half-baked moron consuming all this trash that's being manufactured out of the bones of a dying world.” ―Terence McKenna