sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

O Gato

GATO QUE BRINCAS NA RUA - FERNANDO PESSOA

Gato que brincas na rua
Como se fosse na cama,
Invejo a sorte que é tua
Porque nem sorte se chama.

Bom servo das leis fatais
Que regem pedras e gentes,
Que tens instintos gerais
E sentes só o que sentes.

És feliz porque és assim,
Todo o nada que és é teu.
Eu vejo-me e estou sem mim,
Conheço-me e não sou eu.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Definição de filho por José Saramago

“Filho é um ser que nos foi emprestado para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem. Isto mesmo ! Ser pai ou mãe é o maior acto de coragem que alguém pode ter, porque é expor-se a todo o tipo de dor, principalmente o da incerteza de estar a agir correctamente e do medo de perder algo tão amado. Perder? Como? Não é nosso, recordam-se? Foi apenas um empréstimo”.

sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

Fabula de esopo


As cabras montanhesas e o cabreiro
Levou um cabreiro a pastar a suas cabras e de pronto viu que as acompanhavam unas cabras montanhesas. Legada a noite, levou todas a sua gruta.
Na manhã seguinte caiu uma forte tormente e não podendo levá-las, cuidou lá mesmo. Porém, enquanto dava a suas próprias cabras um punhado de forragem, às montanhesas servia muito mais, com o propósito de ficar com elas. Terminou por fim o mau tempo, e sairam todas ao campo, porém as cabras montanhesas escaparam para a montanha. Acusou-as o pastor de ingratas, por abandoná-lo depois de tê-las atendido tão bem, mas elas lhe responderam:
- Maior razão para desconfiar de ti, porque se a nós recém chegadas nos tratou melhor que a tuas velhas e leais escravas, significa isto que se logo vierem outras cabras, tu nos depreciaria por elas.

Nunca confíes em quem pretende tua nova amizade a ponto de abandonar a que já tinha.
BlogBooster-The most productive way for mobile blogging. BlogBooster is a multi-service blog editor for iPhone, Android, WebOs and your desktop

terça-feira, 13 de setembro de 2011

5 exercises to better listening

5 exercises to better listening
1 - silence (3 minutes)
2 - the mixer - how many channels of sound can I hear?
3 - savouring mondane sounds - enjoy sounds
4 - listening positions - active|passive ; reductive|expansive ; critical|empathetic
5 - RASA - Receive; Appreciate; Summarise; Ask

Julian Treasure

Mais simples que isto??

“Sê dono apenas do que podes transportar contigo; conhece línguas, conhece países, conhece pessoas. Deixa que a tua memória seja o teu saco de viagem.”
Alexander Soljenitsyn

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

Os 13 mandamentos do séc XXI...

1 - O amor eterno chega a durar seis meses...
2 - Não entres no mundo das drogas. Somos muitos e há pouca...
3 - Ter a consciência limpa é sinal de má memória. Toma suplementos...
4 - No casamento, vale mais enganar que ser enganado...
5 - Os honestos são simples inadaptados sociais...
6 - O que luta contra a corrente pode morrer electrocutado...
7 - O último a rir não percebeu a anedota...
8 - A escravatura não foi abolida. Passou a oito horas por dia. Ou mais...
9 - Se a montanha vem até ti, foge. Trata-se de um desmoronamento...
10 - Se não atropelares o tipo da frente, serás atropelado pelo tipo de trás...
11 - Não tomes a vida muito a sério, não sairás vivo dela...
12 - A piada não é ganhar mas fazer o outro perder...
13 - Príncipe Encantado só há um e está na cama com a Cinderela...

 

 

terça-feira, 26 de julho de 2011

Google translate...

Ainda não há computadores que consigam sacar o significado disto:

la vie s'enfuit, ne te montre point si difficile envers le bonheur qui se présent, hâte-toi de jouir
stendal

terça-feira, 19 de julho de 2011

Livro que se segue - Um amor feliz - David Mourão Ferreira

Se a minha vida fosse analisada por um psicólogo, (que tantas vezes sou convidado a visitar), aposto que diria que escolhi este livro porque estou apaixonado.

E como ele estaria enganado... escolhi o livro porque adorei um verso do David, que entretanto pendurei na parede, e porque depois reparo que tenho um livro do mesmo autor.

Faço questão de deixar isto claro porque sei que as pessoas gostam de falar e muitas das vezes estão enganadas, e eu sei disso, mas nada faço, porque sinceramente não me importa.

E cá está o verso...

E por vezes.

E por vezes as noites duram meses
E por vezes os meses oceanos
E por vezes os braços que apertamos
nunca mais são os mesmos E por vezes

encontramos de nós em poucos meses
o que a noite nos fez em muitos anos
E por vezes fingimos que lembramos
E por vezes lembramos que por vezes

ao tomarmos o gosto aos oceanos
só o sarro das noites não dos meses
lá no fundo dos copos encontramos

E por vezes sorrimos ou choramos
E por vezes por vezes ah por vezes
num segundo se envolam tantos anos.





Voltando ao livro, aqui fica uma descrição sumária do trama.



Um amor feliz

Frases sobre a amizade



há tantas frases sobre a amizade (que é muito bonita). Esta fez-me todo o sentido e só ponho aqui para me poder lembrar mais tarde!

Os novos amigos que criamos, depois de certa idade, e pelos quais procuramos substituir aqueles que perdemos, estão para os nossos velhos amigos, como os olhos de vidro, os dentes postiços e as pernas de pau estão para os verdadeiros olhos, para os dentes naturais e para as pernas de carne e osso.
(Sébastien-Roch Chamfort)

The God complex and Trial and Error

segunda-feira, 18 de julho de 2011

A ilha de Tavira!

Este é um dos vídeos feitos por mim, com a malta a jogar volei e uns mergulhos do cais...

Não preciso mais nada que isto...

sábado, 9 de julho de 2011

Sonhos!!

Esta música tem um significado muito especial....

É dedicada a uma pessoa que não vê isto, nem sei se vai ver, mas que faz muito sentido!!





Tudo era apenas uma brincadeira
E foi crescendo, crescendo, me absorvendo
E de repente eu me vi assim completamente seu
Vi a minha força amarrada no seu passo
Vi que sem você não tem caminho,
eu não me acho
Vi um grande amor gritar dentro de mim como
eu sonhei um dia
Quando o meu mundo era mais mundo
E todo mundo admitia
Uma mudança muito estranha
Mais pureza, mais carinho mais calma,
mais alegria
No meu jeito de me dar
Quando a canção se fez mais clara e mais sentida
Quando a poesia realmente fez folia em minha vida
Você veio me falar dessa paixão inesperada
Por outra pessoa
Mas não tem revolta não
Eu só quero que você se encontre
Ter saudade até que é bom
É melhor que caminhar vazio
A esperança é um dom
Que eu tenho em mim
Eu tenho sim
Não tem desespero não
Você me ensinou milhões de coisas
Tenho um sonho em minhas mãos
Amanhã será um novo dia
Certamente eu vou ser mais feliz.

quarta-feira, 6 de julho de 2011

Dito por uma mulher!!



Quando estão cansados e de cabeça quente, é que se vê quem são os melhores atletas. Na vida pessoal passa-se o mesmo.Nos momentos mais duros é que se vê a fibra da pessoa, é fácil fazer uma festinha a quem nos faz outra, mas quando há discórdia, deparamo-nos com Dark Side!

Isto foi dito por uma mulher, com nível:

http://o-mundo-de-sophia.blogspot.com/2007/05/mulheres-ressabiadas.html

terça-feira, 5 de julho de 2011

A mulher e o budista

A mulher e a travessia do rio.
Dois monges Budistas estão retornando para o monastério deles quando chegaram a uma passagem em um rio. A corrente era muito forte, era uma região montanhosa. Uma jovem e bela mulher estava ali, esperando que alguém a ajudasse, pois estava com medo de atravessar sozinha.

Um monge, o mais idoso, é claro... porque ele é o mais velho, ele caminha na frente – tudo jogo do ego. Se você for mais velho, você tem que caminhar à frente; monges mais jovens precisam caminhar um pouco atrás. O monge mais velho vem primeiro. A garota pede a ele, “Você pode me ajudar; basta segurar minha mão? Estou com medo, a corrente está tão forte e talvez, o rio possa ser fundo.”

O velho fechou os olhos – isso é o que Buda disse aos monges, que se vissem uma mulher, sobretudo uma mulher bonita, deveriam fechar os olhos. Isso é surpreendente: você já a viu, depois você fecha os olhos; senão, como você pode determinar que ela é uma mulher, e bela? Você já está afetado, e agora você fecha seus olhos! Assim ele fechou os olhos e entrou no rio sem responder a mulher.

Depois o segundo, o monge mais jovem chega. A garota está com medo, porém, não há nada mais a fazer – o sol está se pondo, logo será noite. Então ela pede ao jovem monge, ”Por favor, você pode segurar minha mão? A passagem parece ser tão fundo e a corrente está forte e estou com medo.”

O monge diz, “Está fundo, eu sei, e apenas dar as mãos não servirá; sente-se sobre meus ombros e eu a carregarei até o outro lado.”

Quando chegaram no monastério o monge mais velho diz para o mais jovem, “Você, companheiro, cometeu um pecado e eu vou relatar que você não somente tocou na mulher, não somente falou com ela, você a carregou nos seus ombros! Você deve ser expulso da comunidade; não é digno de ser um monge.”

O jovem simplesmente sorriu e disse, “Parece que embora eu tenha deixado aquela mulher há alguns quilômetros, você ainda a carrega nos seus ombros. Andamos quilômetros e você ainda se sente incomodado por isso?”

Agora, o que estava acontecendo a esse velho monge? A mulher era bela; ele havia deixado escapar uma chance. Ele estava irritado, com inveja. Estava cheio de sensualidade, muito confuso. O mais jovem, no entanto, estava completamente limpo. Ele carregou a mulher através do rio e a deixou na outra margem, e isso é tudo, a coisa terminou ali.

Nunca lute contra a ganância, o ego, a raiva, a inveja, o ódio – você não pode eliminá-los, você não pode combatê-los. Tudo que pode fazer é percebê-los. No momento que você tiver essa percepção, estará livre deles. Na luz, a escuridão simplesmente desaparece.

terça-feira, 28 de junho de 2011

Próximo livro... espero gostar assim como gostei do último!



Próximo livro de Mário de Carvalho:

Um Deus Passeando pela Brisa da Tarde.

Brilha o céu, tarda a noite, o tempo é lerdo, a vida baça, o
gesto flácido. Debaixo de sombras irisadas, leio e releio os
meus livros, passeio, rememoro, devaneio, pasmo, bocejo
dormito, deixo-me envelhecer. Não consigo comprazer-me
desta mediocridade dourada, pese o convite e o consolo do
poeta que a acolheu. Também a mim, como ao Orador,
amarga o ócio, quando o negócio foi proibido. Os dias
arrastam-se, Marco Aurélio viveu, Cómodo impera, passei o
que passei, peno longe, como ser feliz? (p.13).

domingo, 19 de junho de 2011

Amor de Pai

Bat Girl

O que um pai pode fazer para animar a vida ao filho, e se calhar a dele também! :)

Eu preferia isto a uma playstation!

"A vida é difícil sem humor. As pessoas têm de aprender a rirem de si mesmas". A conclusão é de Dale Price, um havaiano que durante 170 dias criou máscaras diferentes para usar enquanto acenava ao seu filho na ida para a escola, de autocarro.
O bom humor deste pai começou há 19 anos no meio de um trágico acidente no qual perdeu parte da perna esquerda. Para desdramatizar a situação, a família costumava brincar e dizer que Dale "tinha ganho um autêntico fato de pirata para o resto da vida".
Agora, "para fortalecer os laços com o filho", o havaiano decidiu começar uma brincadeira diária que já dura há mais de 170 dias. Sempre que o autocarro da escola vem buscar o menino, o pai presenteia-o com uma máscara e fica a acenar até o veículo desaparecer no horizonte."

E aqui fica o blog para verem os disfarces de todos os dias:

 Wave at the bus

Muito bom, dá que pensar...

sexta-feira, 17 de junho de 2011

Novas oportunidades... uma visão de dentro

Recebi este mail, e como muitas as outras coisas que circulam na net, duvidamos sempre da sua validade. Neste caso, parece-me um retrato fiel, do que se passa.

Há que reflectir sobre isto, e sobre a imputabilidade das pessoas que tomam decisões...












Boa noite


Começo por informar que não sou, nunca fui e não serei eleitor votante no PSD. Situo-me num espectro político-ideológico completamente diverso, portanto a razão do meu contacto não tem qualquer motivação partidária. Simplesmente acho que este assunto é demasiado sério para ser tratado apenas como uma guerra de palavras entre dois partidos candidatos ao governo.


Fui formador de informática durante 17 anos, actividade que deixei de exercer a tempo inteiro em Agosto passado, quando ingressei na Administração Pública, mas nos últimos anos tive a infeliz oportunidade de conhecer a realidade da formação nas Novas Oportunidades. “Infeliz” porque pude verificar que se trata de um completo embuste. Em 17 anos de actividade e com mais de 12.000 horas de formação ministrada, a única vez que tive vontade de abandonar um curso foi nas Novas Oportunidades.


De facto, o modo como estes cursos estão estruturados é mau demais para ser verdade, e quem não conheceu a situação no terreno nem imagina a tragédia que aquilo é. E é este o motivo que me leva a entrar em contacto convosco: para dar o testemunho de quem teve a desdita de ministrar cursos das Novas Oportunidades.


1. O primeiro foi num centro de emprego na região de Lisboa. Pretendia-se certificar os formandos com qualificação equivalente ao 6º ano, num curso qualificado como B2. Coube-me ministrar 100 horas de informática, onde se deveria incluir módulos de Word, Excel, PowerPoint e Internet. As dificuldades começaram logo na utilização do próprio computador, porque a formação de base da maioria dos 10 formandos era tão rudimentar que vários deles nem o seu próprio nome de utilizador e respectiva “password” conseguiram fixar durante aquelas 100 horas.


Começando com o módulo de Word, a avaliação foi quase desastrosa por vários motivos: os conhecimentos de português eram quase nulos em vários dos formandos; houve quem não conseguisse escrever sequer um parágrafo completo durante aquele tempo; havia quem conseguisse dar dois erros ortográficos na mesma palavra.


No módulo de Excel, as coisas foram piores, de tal forma que ao fim de 3 sessões desisti de continuar com aquele módulo. Era impossível fazê-los perceber como calcular esta coisa simples: se fossem à bomba de gasolina, abastecessem 25 litros e cada litro custasse 1,2 €, quanto gastariam? Este era o cálculo mais simples que se poderia executar numa folha de cálculo, mas primeiro era preciso que percebessem o raciocínio do cálculo. Impossível.


Só no PowerPoint e na Internet é que se conseguiu que a generalidade dos formandos fizessem algum trabalho visível. Mesmo assim, o panorama geral era francamente desolador. Cheguei a falar com os professores de português e matemática para perceber se aquela tragédia era mesmo o que parecia, o que me foi confirmado. Na altura a minha filha estava no 5º ano, e tinha mais conhecimentos que qualquer um deles.


Os problemas não se ficavam por aqui. Em termos pessoais as coisas ainda eram mais difíceis. Um dos formandos era alcoólico e trabalhava zero. Chegava às aulas alcoolizado e era incapaz de acompanhar qualquer assunto. Outro tinha estado preso por tráfico de droga. Outro era um jovem de 19 anos que se gostava de exibir nas aulas a dizer que era gay. Outra, com 55 anos, andava sempre atrelada a este e era ele que lhe fazia os testes, porque ela deixava de trabalhar quando ele estava próximo, enquanto nos intervalos aproveitavam para dar umas passas. Outra ainda dizia ser doente e faltava constantemente, chegava tarde e saía cedo porque tinha de apanhar o autocarro, e saía constantemente da sala para tomar comprimidos porque estava cheia de dores.


Como as minhas aulas eram quase sempre nos últimos dois tempos, das 18 às 20 horas, eles queriam sair mais cedo não havendo intervalo. Mas como eram os últimos tempos, antes iam jantar ao refeitório, donde resultava que por vezes entravam na sala às 18:30 e às 19:30 queriam ir-se embora. No meio de tudo, o que verdadeiramente os preocupava era quando iriam receber o subsídio...


No final de tudo aquilo, como profissional que leva o seu trabalho a sério, fiz um relatório de avaliação onde indiquei que 3 dos formandos não iriam ser aprovados porque não tinham os conhecimentos mínimos para tal. Perante isto fui contactado pela pessoa coordenadora do curso, que me pediu por favor para os passar, pois se não o fizesse eles não poderiam receber o diploma. Acedi contrariado mas elaborei uma informação a justificar o meu desacordo e senti que estava a colaborar numa farsa.


Posteriormente voltei ao mesmo centro de formação para frequentar uma acção de actualização do CAP (Certificado de Aptidão Profissional), onde a formadora era uma colega que também tinha sido formadora do mesmo curso. Informou-me que o tal formando alcoólico estava agora a frequentar outro curso das Novas Oportunidades para obter o 9º ano! Eu nem queria acreditar. O homem é quase analfabeto!


2. Depois desta tragédia, fui convidado por uma empresa de formação para ministrar um curso do mesmo género fora de Lisboa, neste caso para um nível equivalente ao 9º ano. Foram-me atribuídos dois módulos, introdução à informática e PowerPoint, em dias alternados. Fui eu que abri o curso, e durante 7 horas no primeiro dia estive a falar de conceitos gerais de informática e de utilização do computador, de arrumação de pastas e ficheiros.


Qual foi a minha surpresa quando verifiquei que no segundo dia iria outro formador dar Excel, no terceiro dia iria outra formadora dar Word e no quatro dia voltaria eu, para continuar a falar de pastas e ficheiros! Pensei para mim próprio: onde eu vim cair! Como é possível que um curso seja estruturado desta forma? Que lógica de aprendizagem é esta? Quem estabelece este calendário? Como se admite que num dia se fale de pastas e ficheiros e no dia seguinte se esteja a falar de folha de cálculo sem ainda se ter explicado no módulo inicial como se criam pastas?


E de quem é a responsabilidade desta amálgama? Quem propõe este calendário e quem o aprova? Será a empresa formadora que propõe, ou serão os responsáveis que, sentados num gabinete e sem qualquer noção do que é uma acção de formação, determinam que um formador não pode dar mais do que 7 horas seguidas na mesma turma, e por isso tem de se misturar módulos diferentes com formadores diferentes sem qualquer lógica nem critério?


3. Num terceiro caso, o objectivo já era certificar o 12º ano. Uma das participantes era também uma jovem com 19 anos a quem perguntei porque não ia fazer o 12º ano numa escola. Resposta: porque aqui é mais fácil.


Apesar de tudo estes eram mais empenhados, embora deixassem alguns comentários em tom incomodado como “o quê, temos de fazer uma avaliação?”


Mas o programa do curso... oh céus! Como é possível, como, elaborar programas como aqueles? Consulta-se o conteúdo programático dos vários módulos das UFCD (unidades de formação de curta duração), e vemos estas pérolas:


· Informática – evolução 25 horas


· Arquitectura de computadores 50 horas


· Gestão e organização da informação 25 horas


· Sistemas operativos 50 horas


· Sistemas operativos multitarefas 50 horas


· Sistemas operativos utilitários complementares 25 horas


Daria vontade de rir se não fosse trágico. Como é possível elaborar 3 módulos de sistemas operativos, a par com um de gestão de ficheiros , ter formadores a falar das mesmas coisas durante 50 horas em módulos supostamente diferentes? Pergunto eu: alguém faz ideia do que está a fazer quando elabora estes módulos?


Vale a pena consultar estes conteúdos:


http://www.catalogo.anq.gov.pt/UFCD/Detalhe/736


http://www.catalogo.anq.gov.pt/UFCD/Detalhe/737


http://www.catalogo.anq.gov.pt/UFCD/Detalhe/738


Alguém que perceba como é que se diferencia uns dos outros, e que justificação existe para fazer disto módulos de 50 horas. Quem são os crânios, sentados atrás duma secretária e sem ter qualquer noção do que é a formação, que determinam que os módulos têm todos de ser em múltiplos de 25 horas? E pedagogicamente, qual é a lógica subjacente? Se as aulas são normalmente de 3 horas ou 3 horas e meia, como se faz um calendário com pés e cabeça de modo a completar 25 horas? Não têm sequer a noção básica de que as durações deviam ser em múltiplos de 3? Quem é que é pago para conceber esta miséria?


E o que são os sistemas operativos utilitários complementares? São 25 horas para ensinar a utilizar um antivírus e compactar de descompactar ficheiros com um programa do tipo WinZip. 25 horas para isto? Era como se criassem um módulo para ensinar a atarraxar lâmpadas: explicava-se numa hora e depois ficava-se 24 horas e roscar e desenroscar a lâmpada...


É isto que resulta das Novas Oportunidades: andar a “certificar” analfabetos que na sua maioria não estão minimamente interessados em aprender o que quer que seja, querem sim ter um diploma que ateste que têm o 9º ou o 12º ano, mas que quando forem para o mercado de trabalho irão mostrar a sua total ignorância. Como me podem “obrigar” a passar pessoas como tendo competências informáticas quando nem um parágrafo conseguem escrever? E o meu nome fica associado a uma vigarice destas a troco de quê? Por que carga de água é que eu hei-de dizer que aquelas pessoas têm competências que não têm?


De facto, seria bom que alguém fizesse uma auditoria (mas a sério, não a fingir) à seriedade das Novas Oportunidades. Pessoalmente considero, mais que um embuste, um roubo que se está a fazer aos portugueses apenas para mascarar estatísticas com pseudo-qualificações que, objectivamente, as pessoas não têm.


No fim da minha colaboração com este programa, para além da frustração perante a inutilidade daquilo que estive a fazer, sobreveio principalmente uma enorme indignação por verificar que estava a assistir a um desbaratar de recursos de forma totalmente inútil e da qual não advém qualquer mais-valia para o país.


Estou à disposição para prestar quaisquer esclarecimentos adicionais que considerem necessários. Acrescento que uma cópia deste e-mail vai ser enviada para todos os grupos parlamentares, uma vez que vi a notícia de que o assunto vai ser discutido no parlamento. Espero que o meu testemunho ajude a esclarecer os espíritos.






Com os melhores cumprimentos

Mário Feliciano

segunda-feira, 13 de junho de 2011

Fernando Pessoa nascido a 13 de Junho de 1888 - Faz hoje anos!!

    QUINTO / NEVOEIRO

Nem rei nem lei, nem paz nem guerra,
Define com perfil e ser
Este fulgor baço da terra
Que é Portugal a entristecer--

Brilho sem luz e sem arder,
Como o que o fogofátuo encerra.
Ninguém sabe que coisa quere.
Ninguém conhece que alma tem,

Nem o que é mal nem o que é bem.
(Que ânsia distante perto chora?)
Tudo é incerto e derradeiro.
Tudo é disperso, nada é inteiro.

Ó Portugal, hoje és nevoeiro...
É a Hora!

 

Fernando Pessoa

Tem quase um século mas continua muito actual... Penso eu...

 

quarta-feira, 8 de junho de 2011

As conversas entre mulheres...

"Quando Baltasar entra em casa, ouve o murmúrio que vem da cozinha, é a voz da mãe, a voz de Blimunda, ora uma, ora outra, mal se conhecem e têm tanto para dizer, é a grande, interminável conversa das mulheres, parece coisa nenhuma, isto pensam os homens, nem eles imaginam que esta conversa é que segura o mundo na sua órbita, não fosse falarem as mulheres umas com as outras, já os homens teriam perdido o sentido da casa e do planeta".

José Saramago, in Memorial do Convento.

 

Das coisas que mais me agradam no Saramago, são estas filosofias, que ele vai atirando para o meio da novela, e que para mim fazem tanto sentido. Isto tudo escrito de uma maneira sublime, que até dá gosto ler. Realmente as mulheres conseguem falar muito. Eu próprio sou testemunha disso. O problema é quando elas querem falar com os homens, que são de pouca fala.

Fica aqui então esta homenagem ao escritor, e às mulheres que falam muito, e que tenham paciência comigo quando não me apetece falar!

terça-feira, 24 de maio de 2011

domingo, 22 de maio de 2011

O que é o Amor?

O amor é oferecer ao outro o que não lha podemos dar e o que ele não pediu

Lacan

Assim sendo, para os racionais, o Amor é utópico e não tem razão de ser. É irracional. E quem disse que o Homem é racional?

Eu não fui! BlogBooster-The most productive way for mobile blogging. BlogBooster is a multi-service blog editor for iPhone, Android, WebOs and your desktop

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Ate logo avô

Era giro que fosse assim

Gostava de pensar que quando as pessoas morrem vão para um sítio bonito e quando morremos encontramo-nos lá no Ceu. Infelizmente não acredito nisso. Morreu morreu. Acabou. Alegra-me pensar que o meu avô teve uma boa vida, fez o que quis e que foi feliz.

Heidegger diz que devemos confrontar de frente a morte para viver autenticamente - para viver com honestidade percebendo o que a vida realmente é. É esta a lição a tirar disto.

Viver como se estivesse prestes a morrer!

Acabo com um ditado popular:
"nunca deixes passar uma casa de banho, nunca desperdices um tesão e nunca confies num peido" BlogBooster-The most productive way for mobile blogging. BlogBooster is a multi-service blog editor for iPhone, Android, WebOs and your desktop

sábado, 14 de maio de 2011

Onde andam as pessoas com palavra

O meu irmao fez hoje anos e não estive com ele porque fui trabalhar para o Patrimonio. No final da noite, cansado como tudo, fico fodido quando não recebo.

Onde andam as pessoas com palavra

O meu irmao fez hoje anos e não estive com ele porque fui trabalhar para o Patrimonio. No final da noite, cansado como tudo, fico fodido quando não recebo. BlogBooster-The most productive way for mobile blogging. BlogBooster is a multi-service blog editor for iPhone, Android, WebOs and your desktop

sábado, 30 de abril de 2011

Andamos todos parvos

A Kate casou com o príncipe Henry e o mundo parou. Pessoas a guardar lugar nas ruas há dias. As televisões todas a acompanhar ao vivo. Qual será o vestido da noiva? Está tudo parvo meu deus. 

terça-feira, 19 de abril de 2011

A Morte

A minha vizinha foi encontrada morta em casa no sofá. Tinha 2 ou 3 anos mais que eu. A vida nao vale nada. :( aproveitem-na o melhor possível e nao percam tempo com mesquinhices. 

terça-feira, 29 de março de 2011

What is love?

Palavras gregas para o amor – Wikipédia, a enciclopédia livre

Um número diferente de palavras gregas é utilizadas para o amor, como em toda a língua grega se distingue a palavra pela forma que ela é usada. No Grego antigo tem três palavras distintas para o amor: eros , philos, e ágape. Entretanto, como com outras línguas, fica historicamente difícil separar os significados destas palavras. Apesar de tudo, os sentidos em que estas palavras foram usadas geralmente são dados abaixo.
  • O érōs de Eros (ἔρως) significa a palavra grega moderna “ erotas ” com a sua significante de “o amor (romântico)”. Entretanto, o Eros não tem que ser de natureza sexual. O Eros pode ser interpretado como um amor para alguém que você ama mais do que o amor de Philos da amizade. Pode também aplicar-se a datar relacionamentos bem como a união. Platão refinada a sua própria definição. Embora o eros seja sentido inicialmente para uma pessoa, com contemplação transforma-se numa apreciação da beleza dentro dessa pessoa, ou transforma-se mesmo a apreciação da beleza própria. Deve-se anotar que Platão não conversa da atração física como uma parte necessária do amor, daqui o uso da palavra platônico significar, “sem atração física”. Para Platão o Eros também ajuda ao conhecimento da recordação da beleza da alma, e contribui para a compreensão da verdade espiritual. Os amantes e os filósofos todos são inspirados a procurar a verdade pelo eros. O trabalho antigo o mais famoso sobre o assunto eros é de Platão o Simpósio, é uma discussão entre os estudantes de Socrates sobre a natureza de eros.

  • A philos de Philia (φιλία), amizade no grego moderno, um amor virtuoso desapaixonado, era um conceito desenvolvido por Aristóteles. Inclui a lealdade aos amigos, à família, e à comunidade, e requer a virtude, a igualdade e a familiaridade. Em textos antigos, a philia denota um tipo de amor global, usado como amor entre a família, entre amigos, um desejo ou a apreciação de uma atividade, bem como entre amantes. Este é o única outra palavra para o “amor” usada nos textos antigos dos Novo Testamento além de ágape, mas uniforme é usado substancialmente menos.
  • O agápē de Ágape (ἀγάπη) significa o “amor” no grego moderno atual. O s'agapo do termo significa “eu te amo” em grego. A palavra ” agapo “ vem do vocábulo “amor”. No grego antigo se refere frequentemente a uma afeição mais ampla do que à atração sugerida pelo ” eros “; o agape é usado em textos antigos para designar sentimentos como uma refeição boa, a afeição de uma criança, e os sentimentos não carnais entre os os cônjuges. Pode ser descrito como o sentimento de estar satisfeito ou de se ter em consideração elevada. O verbo aparece no Novo Testamento que descreve, entre outras coisas, o relacionamento entre Jesus e os seu discípulo amado. Na literatura biblica, seus significados são ilustrados como auto-sacrifício, dando o amor a todos -- amigo e inimigo. Em Mateus 22:39 é usado, “ame seu vizinho como a si mesmo,” e em João 15:12, “O meu mandamento é este: Que vos ameis uns aos outros, assim como eu vos amei.”

    O mito de Sísifo


    O mito de Sísifo
    Albert Camus esboça o mito de Sísifo, que desafiou os deuses; quando capturado sofreu uma punição: para toda eternidade, ele teria de empurrar uma pedra de uma montanha até o topo; a pedra então rolaria para baixo e ele novamente teria que começar tudo. Camus vê em Sísifo o ser que vive a vida ao máximo, odeia a morte e é condenado a uma tarefa sem sentido, como o herói absurdo. Não obstante, reconhecendo a falta de sentido, Sísifo continua executando sua tarefa diária.
    Camus apresenta o mito para trabalhar uma metáfora sobre a vida moderna, como trabalhadores em empregos fúteis em fábricas e escritórios. "O operário de hoje trabalha todos os dias em sua vida, faz as mesmas tarefas. Esse destino não é menos absurdo, mas é trágico quando em apenas nos raros momentos ele se torna consciente".
    Todos sabemos que para sermos felizes precisamos de encontrar um sentido para a nossa vida. Mas isto não quer dizer que haja um...

    Ou melhor, como Mark Rowlands nos define como primatas e seres temporais, não conseguimos apreciar os momentos, que são no meu entender também, o verdadeiro sentido da vida. Saber apreciar o momento torna-se neste caso o caminho secreto para a felicidade, mas pouco acessível ao comum dos mortais, porque estaremos constantemente a transpolar para um futuro e a fazer remissivas para um passado este momento o "MOMENTO", o que impede que o consigamos desfrutar.

    quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

    Bom ou mau humor?

    Eu ri ao ver isto, mas penso nos visados das piadas...

    De qualquer modo cá vai o vídeo dos

    Globos de Ouro 2011 - Monólogo de abertura de Ricky Gervais



    terça-feira, 25 de janeiro de 2011

    Frase do Dia

    A vida está cheia de supostos "amigos" que se revelam à mais pequena adversidade.
    M.P.

    Estava no perfil do meu amigo de infância Miguel Pires! Será que foi ele que escreveu?

    Like!

    segunda-feira, 24 de janeiro de 2011

    Público : Cientista estima que 24 de Janeiro é o dia mais deprimente do ano

    Enviado via Público iPhone:

    Cientista estima que 24 de Janeiro é o dia mais deprimente do ano

    Hoje, 24 de Janeiro, é o dia mais deprimente do ano, segundo uma fórmula matemática concebida por ...

    http://publico.pt/1476803


    Dream, live, dance!